Translate

domingo, agosto 26, 2012

Doenças sexualmente transmissíveis


RESUMO SOBRE ALGUMAS DAS PRINCIPAIS DSTs
Maximiliano Mendes

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (ou infecções sexualmente transmissíveis): são aquelas que podem ser adquiridas a partir das relações sexuais, tanto pelo fato de poder haver contato direto entre os órgãos genitais, caso não se utilize preservativos, quanto pela possibilidade de o ato sexual, devido ao atrito, causar lesões nos órgãos genitais, o que por sua vez pode permitir a “troca” de fluídos corporais contaminados. São causadas por agentes como bactérias, vírus, fungos e protozoários capazes de infectar os órgãos genitais (pênis, vagina, útero, tubas uterinas, ovários...), órgãos do sistema urinário como a uretra, e outros, como a faringe, ânus e etc. Nesses últimos casos, as infecções podem ser resultantes da prática do sexo anal e oral (e sabe-se lá o que mais se faz por aí...).

Algumas dessas doenças podem ser transmitidas da mãe para o filho durante a gestação, parto ou amamentação (transmissão perinatal). Dá-se o nome de período perinatal àquele compreendido da 20ª–28ª semana de gestação até as quatro primeiras semanas após o nascimento. Também se sabe que a presença de um agente causador de DST no organismo é capaz de aumentar a susceptibilidade a outras, por conta de lesões e inflamações causadas: abrem-se as portas do organismo para a entrada e a saída de outros patógenos.

Outra forma de transmissão é através das transfusões de sangue, caso seja utilizado sangue contaminado no procedimento.

Veremos a seguir um resumo breve sobre algumas das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns no Brasil.

DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS:

Linfogranuloma venéreo:

Causador: Chlamydia trachomatis.

Sintomas: alguns deles são a ardência ao urinar, corrimentos, dores nos testículos e no baixo ventre feminino e sangramentos fora da época da menstruação ou durante as relações sexuais (para as mulheres). Os corrimentos vaginais, também chamados de leucorreias, são secreções resultantes da inflamação dos tecidos da vagina. Essa secreção pode vir em grandes quantidades ou apresentar odor forte. Também é possível estar contaminado e não apresentar sintomas, e, assim, transmitir a doença sem saber quando se pratica relações sem preservativos.

Tratamento: feito com antibióticos específicos, visto que é uma doença causada por bactérias.

Pode haver transmissão perinatal, causando oftalmia neonatal, um tipo de conjuntivite que pode levar a cegueira. Essa doença pode ser prevenida com a aplicação de um colírio, aplicado na primeira hora após o nascimento.



Gonorréia[viii]:

Causador: Neisseria gonorrhoaea.

Sintomas: bastante similares aos sintomas do linfogranuloma venéreo e também pode haver oftalmia neonatal.

Tratamento: feito com antibióticos específicos. É bom destacar que, ao longo do tempo, as populações de micro-organismos acabam adquirindo resistência e os antibióticos se tornam ineficazes. Aparentemente, nos EUA, as linhagens de N. gonorrhoaea adquiriram resistência contra os antibióticos mais comumente utilizados no tratamento.



*Doença inflamatória pélvica - DIP[x]:

Causador: bactérias, como as da gonorréia e a clamídia. Essas bactérias, às vezes, podem infectar os órgãos genitais internos das mulheres, como os ovários, causando dores e inflamações.

Sintomas: dores nas partes baixas do abdome, dores durante as relações sexuais, dores nas costas, secreções vaginais, febres, fadiga, vômitos e etc.

Sífilis:

Causador: Treponema pallidum. A infecção ocorre em três estágios, sendo que os sintomas se manifestam principalmente nas duas primeiras. Isso pode fazer com que na terceira etapa, que pode ser assintomática, o indivíduo tenha a falsa impressão de que não tem mais a doença. A infecção pode também ser congênita (quando é transmitida das mães para os fetos) e pode causar más-formações.

Sintomas: Na primeira etapa surgem feridas nos órgãos genitais e inchaços nos linfonodos (ínguas) da virilha. Também podem surgir feridas na boca. Essas feridas nos órgãos genitais são chamadas de cancros, têm formato arredondado e firme, não doem, não ardem, não coçam e delas não vaza pus (a sífilis também pode ser chamada de cancro duro). Posteriormente, na segunda etapa, se a doença não for tratada, podem surgir manchas em várias partes do corpo, como as mãos e pés, e queda de cabelos. Nos estágios mais avançados (terceira etapa), a doença pode causar cegueira, demência e, dentre outros problemas graves, até levar à morte.

Tratamento: antibióticos.

É bom ressaltar que, de acordo com dados epidemiológicos recentes, o Brasil vem enfrentando uma epidemia de sífilis. Estima-se que os números de casos novos da doença tenham aumentado: 230 mil novos casos entre 2010 e 2016, sendo que foram notificados 65878 casos novos só em 2015. Preocupa o fato de que muitos desses casos sejam de transmissão congênita. Dentre as causas da epidemia, apontam-se a falta de penicilina disponível para o tratamento (nesse caso, aponta-se a falta de interesse por parte da indústria farmacêutica, por conta de o medicamento ser barato), a falta de preservativos distribuídos gratuitamente em certos locais e o esgotamento do impacto das campanhas promovendo o uso de preservativos.



DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS:

Condiloma acuminado (HPV):

Causador: Papilomavirus humano (HPV). É a DST mais comum do mundo, há mais de 170 tipos de HPV e vários podem infectar os órgãos genitais, a garganta e o ânus. Acredita-se que aproximadamente 50 % dos adultos sexualmente ativos será contaminado por algum tipo de HPV em algum ponto de sua vida. Também é bom notar que as verrugas comuns de pele também são causadas por HPVs.

Sintomas: Muitas vezes, os portadores do vírus não apresentam sintomas ou quaisquer problemas de saúde, e, por isso, nem mesmo sabem que têm a doença. Porém, em 90 % dos casos, acredita-se que o próprio sistema imunitário seja capaz de eliminar o vírus, em aproximadamente dois anos.

Alguns dos principais sintomas da infecção, quando presentes, são as verrugas nos órgãos genitais e o câncer de colo de útero. É importante destacar que os tipos de vírus causadores do câncer de colo de útero são distintos daqueles causadores das verrugas. Também é importante notar que essas verrugas podem surgir semanas ou até mesmo meses após a contaminação, ao passo que o câncer pode se desenvolver anos após a contaminação.

Uma complicação grave decorrente do câncer de colo de útero, é que os seus efeitos e sintomas só passam a ser visíveis após um período de tempo considerável, quando o câncer já se encontra em estágio avançado. Por isso, é necessário que as mulheres façam exames regulares.

Tratamento: não existe tratamento para se eliminar o vírus (espera-se que o sistema imunitário faça isso), porém, pode se tratar alguns dos sintomas da infecção. Por exemplo, podem-se remover as verrugas (que inclusive podem desaparecer naturalmente) e também é possível diagnosticar o câncer cedo, com testes como o Papanicolau, para que seja mais fácil tratá-lo. O teste de Papanicolau tem o objetivo de detectar alterações celulares no colo uterino, que poderão se tornar cânceres, caso não sejam tratados adequadamente.

Atualmente já existem vacinas contra o HPV, que devem ser administradas em três doses, preferencialmente antes de o indivíduo começar a praticar relações sexuais, sendo que o recomendado é tomar essas vacinas no início da puberdade, por volta dos nove anos de idade.



Herpes genital:

Causador: HSV – Herpes simplex vírus.

Sintomas: bolhas que se rompem e geram feridas nos órgãos genitais. Normalmente essas feridas somem, mas podem reaparecer de tempos em tempos caso o indivíduo seja exposto a algum fator capaz de diminuir sua imunidade (exposição ao sol, esforço exagerado, estresse e ansiedade, uso prolongado de antibióticos e outros).

Tratamento: sem cura definitiva, mas se tenta tratar as feridas.



AIDS – Síndrome da Imunodeficiência Adquirida:

Causador: HIV – Vírus da imunodeficiência humana. Infecta alguns tipos celulares em nosso organismo, como os macrófagos e as células dendríticas, porém, o tipo celular mais importante associado com a infecção pelo HIV é o linfócito T CD4+. Essas células pertencentes ao sistema imunitário atuam coordenando as respostas imunitárias (são os “generais” do sistema imune).

O processo de infecção pelo HIV pode demorar anos, sendo que a fase de AIDS é a final, na qual a quantidade de LTCD4+ chega a menos de 200 por mm3 de sangue, ao passo que a quantidade normal, encontrada em um indivíduo saudável, é de 800 – 1200 por mm3 de sangue. Se não há LTCD4+ em quantidades suficientes, não há respostas imunes e o indivíduo fica suscetível às infecções, inclusive infecções que normalmente não ocorreriam caso o indivíduo não estivesse com a imunidade comprometida, ou que não seriam capazes de causar grandes danos ao organismo: são as chamadas infecções oportunistas.

Sintomas: vários. Além da deficiência do sistema imunitário, há também o inchaço dos nódulos linfáticos e tumores de pele chamados sarcomas de Kaposi. Os nódulos linfáticos são locais onde há várias células do sistema imune, que ao entrarem em contato com os patógenos, se multiplicam, podendo provocar o inchaço desses nódulos.

Tratamento: não há cura. Tenta-se controlar a infecção com o uso de coquetéis de drogas antivirais. Existe também a chamada profilaxia pós-exposição, que consiste em tomar um conjunto de medicamentos contra o HIV por 28 dias e o início deve ser em um prazo máximo de 72 h após a suspeita de exposição ao vírus. Ainda, de acordo com dados de 2013, 56,6 % dos brasileiros entre 15 e 24 anos utilizam preservativos.

Alguns indivíduos têm grande resistência contra a infecção pelo HIV, e em resumo, as causas principais podem ser mutações nas proteínas celulares que são reconhecidas pelas proteínas do HIV, impedindo ou dificultando a fase de ligação.



Hepatite B:

Causador: HBV – Vírus da hepatite B, que pode ser encontrado no sangue, leite materno e esperma. Por isso, a hepatite B é considerada uma DST. Basicamente, hepatites são inflamações no fígado, que podem se tornar crônicas e até mesmo levar ao surgimento de cirrose e tumores. Porém, na maioria dos casos os indivíduos acometidos não apresentam sintomas.

Sintomas: febres, vômitos, icterícia (pele e olhos amarelados), urina mais escura e fezes claras.

Tratamento: feito com medicamentos específicos, sendo importante destacar que, durante o período de tratamento o indivíduo não deve consumir bebidas alcoólicas. No que tange à prevenção, há vacina contra o HBV, que deve ser tomada em três doses.




http://www.cdc.gov/std/hiv/STDFact-STD-HIV.htm
Carter CA & Ehrlich LS. Cell Biology of HIV-1 Infection of Macrophages. Annual Review of Microbiology. Vol. 62. pp: 425 – 443. 2008.
Wu L & KewalRamani VN. Dendritic-cell interactions with HIV: infection and viral dissemination. Nat Rev. Immunol. Vol. 6(11). pp: 859 – 868. 2006.
http://www.mayoclinic.com/health/hiv-aids/DS00005/DSECTION=treatments-and-drugs
http://www.livescience.com/9983-immune-hiv.html
Lopes AD. Revista Veja. Nº 2174. p. 110.
http://www.aids.gov.br/pagina/o-que-sao-hepatites-virais
http://www.aids.gov.br/pagina/hepatite-b
http://www.cdc.gov/hepatitis/HBV/index.htm
http://www.bbc.com/portuguese/brasil-37748006
http://www.bbc.com/portuguese/brasil-39093771
https://super.abril.com.br/saude/a-nova-cara-da-sifilis/

Gostou do material? Achou útil? Quer me ajudar? Clique nos anúncios e no G+1.