Translate

terça-feira, setembro 13, 2016

OS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS


Os principais métodos contraceptivos



Maximiliano Mendes - 2016



Nem todos os casais estão preparados para serem pais, pode ser por motivos financeiros, às vezes têm objetivos mais urgentes ou até mesmo por imaturidade. Porém, como os casais mantêm relações sexuais, é interessante que haja formas de impedir que a prática sexual resulte na formação de uma criança que, no momento, não é desejada. Essas formas são o que chamamos métodos contraceptivos.



Se definirmos concepção como o ato de conceber uma nova vida, a contracepção basicamente consiste em impedir que isso ocorra. Por exemplo, se admitirmos que a concepção ocorre no momento da fertilização, a contracepção é algo capaz de impedir esse encontro entre os gametas masculino e feminino. Além disso, alguns consideram que o aborto induzido também pode ser considerado como contraceptivo, pois impede que o novo indivíduo sobreviva.



Atualmente existem vários métodos contraceptivos, que impedem a concepção de diversas formas distintas. Vejamos um resumo acerca dos principais:



Abstinência: consiste basicamente em não manter relações sexuais, indefinidamente ou por certo período. Por exemplo, um casal pode se abster de relações sexuais nos dias referentes ao período fértil da mulher, ou então, alguma pessoa pode se abster das relações sexuais indefinidamente por motivos religiosos. Requer força de vontade e, quando se trata de um casal, é necessário que haja apoio mútuo. Obviamente, além de proteger o indivíduo de doenças sexualmente transmissíveis – DSTs, é o método contraceptivo mais eficiente. A não ser que você seja raptado ou abduzido por um grupo de pesquisadores alienígenas.



É importante mencionar também que alguns casais praticam a abstinência apenas no sentido da conjunção carnal propriamente dita, ou seja, abstêm-se apenas das atividades nas quais há a introdução do pênis na vagina, porém, praticam outros tipos de atividades sexuais (não sei como conseguem, mas enfim...).



A abstinência não apresenta efeitos colaterais e pode ser utilizada por qualquer pessoa ou casal que consiga e, mais importante: que efetivamente queira! Não adianta forçar alguém a aderir ao método contra a vontade e nem é correto forçar alguém a querer manter relações. Alguns estudos mostram que os jovens que participam de programas de incentivo à abstinência, muitas vezes por vontade de outros e não deles mesmos, também andam praticando relações sexuais por aí...




Método da tabelinha e técnicas de percepção da fertilidade: de maneira simplificada, consiste em não manter relações sexuais nos dias referentes ao período fértil do ciclo menstrual feminino, logo, é um tipo de abstinência. Em tese, a aplicação é simples, porém, na prática, nem tanto. Os motivos são:



É preciso que a mulher descubra se tem ciclos menstruais regulares, quantos dias o ciclo dela dura (os ciclos podem variar de 26 a 32 dias, dependendo da mulher) e qual é o dia do ciclo em que ovula. Para saber a duração dos ciclos, podem-se monitorar seis deles, anotando em alguma tabela, calendário de papel, ou em aplicativos de smartphones os dias nos quais as menstruações iniciam (dia 01 do ciclo) e assim, contar os dias até a próxima menstruação.



Lembrando que, o dia em que inicia o fluxo de sangue é o dia 01 do ciclo e o último é o dia anterior à menstruação seguinte: por exemplo, se você menstruar hoje, hoje é o dia 01 de um ciclo e ontem foi o último dia do ciclo anterior. Após monitorar o procedimento seis vezes, você saberá a duração aproximada dos seus ciclos menstruais.





Para descobrir qual é dia provável em que você ovula basta subtrair 14 do número de dias do ciclo. Por exemplo, se o seu ciclo dura 28 dias, 28 – 14 = 14, então 14 é o dia provável da sua ovulação. Se o seu ciclo dura 30 dias, 30 – 14 = 16, então você deve ovular no dia 16 do ciclo. Admite-se que após a ovulação o ciclo termine em 14 dias, pois é o tempo necessário para que o corpo amarelo ovariano degenere e pare de produzir estrógeno e progesterona. Isso ocorre por conta de os ovários poderem regenerar.



É até possível ter uma boa ideia de quando se está ovulando ou se já ovulou, caso se note que está escorrendo um muco transparente e de consistência viscosa da vagina. Esse muco está correlacionado ao pico de LH que promove a ovulação. Além disso, também é possível verificar um aumento de aproximadamente 0,5° C na temperatura corporal devido ao aumento da concentração de progesterona no sangue, que se dá após a ovulação. Ainda por conta da progesterona, posteriormente o muco cervical se torna opaco e espesso.





Enfim, por ser um método de difícil aplicação, na prática, parece não ser tão eficiente para muitos casais.



Quanto à eficiência:



Com o uso perfeito, tem 95 – 99 % de eficiência. Entre 1 – 5 de cada 100 mulheres terá uma gravidez acidental durante o primeiro ano de uso do método.

Com o uso típico, tem 76 – 88 % de eficiência. Entre 12 – 24 de cada 100 mulheres terá uma gravidez acidental durante o primeiro ano de uso do método.



OBS: o uso perfeito se refere ao uso em testes clínicos, já o uso típico é a vida real. Saber como o método funciona, como se usa e estudar sobre o ele, aproxima o uso típico do uso perfeito.



Coito interrompido ou método da retirada: utilizado desde os tempos primitivos, a ideia é que o homem retire o pênis da vagina da mulher antes de ejacular. Convenhamos, não precisa ser especialista para perceber que esse não é o método mais eficiente do mundo, pois demanda muito autocontrole por parte do homem.


Quanto à eficiência: 96% com o uso perfeito e 78 % com o uso típico.



Camisinhas: também chamadas de preservativos, são capas ou sacos normalmente feitos de látex que cobrem o pênis e, assim, impedem que haja contato direto entre os órgãos genitais. Como cobrem o pênis, o esperma ejaculado, ao invés de ser depositado na vagina, permanece na camisinha, impedindo a fertilização. Além disso, por impedirem o contato direto entre os órgãos genitais, previne contra as doenças sexualmente transmissíveis. Só a abstinência e as camisinhas conseguem prevenir as DSTs.



Dentre as vantagens, além de prevenirem as DSTs, as camisinhas são baratas, às vezes gratuitas, fáceis de encontrar e não precisam de prescrição médica. Para as pessoas alérgicas ao látex, existem camisinhas feitas de poliuretano. Além disso, como a cobertura diminui a sensibilidade da glande do pênis, pode fazer com que o homem demore mais a ejacular e isso pode ser particularmente interessante no caso de homens que sofrem de ejaculação precoce.



Outros detalhes importantes: não se recomenda usar duas camisinhas ao mesmo tempo, pois, por conta do atrito extra, ambas podem ser rompidas com mais facilidade (é isso o que você vai responder em provas, mas há excessões à essa regra).





Quanto à eficiência: com o uso perfeito, 98 % de eficiência e com o uso típico, 82 %.



No que tange às camisinhas femininas, estas são semelhantes às masculinas no sentido de que são capas ou sacos, porém, são encaixadas dentro da vagina de forma a cobri-la para que o pênis não entre em contato direto com a mucosa vaginal. Outra diferença é que elas não são feitas de látex, mas sim de poliuretano (plástico) ou borracha nitrílica e isso é uma vantagem para quem tem alergia ao látex.  Também é recomendada para os casos em que o parceiro da mulher não quer usar uma camisinha (eu li isso nos sites especializados, mas acho uma justificativa pobre...), ou para os casos em que a pessoa já quer colocar a camisinha previamente (por exemplo, para uma mulher que pretende ingerir bebidas alcoólicas antes do ato sexual).




As desvantagens em relação às camisinhas masculinas são que as femininas são mais caras e um pouco menos eficientes.



Quanto à eficiência: uso perfeito - 95 %, uso típico – 79 %.



Métodos hormonais: aqui a coisa começa a complicar um pouco, pois é necessário que você tenha conhecimentos sobre como funciona o ciclo menstrual, quais hormônios estão envolvidos e como eles atuam. Para simplificar, vou usar como exemplo as pílulas anticoncepcionais. Essas pílulas contêm estrógeno e progesterona (ou então só progesterona) sintéticos. A ideia é a seguinte:



Tanto o estrógeno quanto a progesterona são hormônios capazes de inibir, por retroalimentação negativa, a liberação dos hormônios FSH e LH (destaco o detalhe traiçoeiro de que em concentrações muito altas, o estrógeno tem o efeito oposto). O FSH e o LH atuam promovendo a ovulação, condição necessária para que possa haver a fertilização e a gestação, mas como as altas concentrações de estrógeno e progesterona inibem a liberação desses hormônios, não haverá ovulação e nem fertilização. Como se isso não bastasse, esses hormônios também são capazes de espessar o muco cervical, o que dificulta o deslocamento dos espermatozoides.



Pode se dizer que o efeito das pílulas é o de simular uma gestação, período no qual a placenta produz estrógeno e progesterona, que inibem a liberação de FSH e LH para que não haja ovulação e a mulher possa vir a ter mais de um embrião implantado no mesmo útero no qual já há outro bebê se desenvolvendo em estágio mais avançado. (Por que isso é ruim? Imagine o parto do primeiro, o que acontece com o que chegou depois?).



Há dois tipos de pílulas: as combinadas, que utilizam estrógeno e progesterona sintéticos, e as que possuem apenas progesterona sintética, para os casos em que a mulher não pode usar (ou pelo menos não se recomenda usar) a combinada. Alguns exemplos de casos que impedem a pessoa de usar a pílula combinada são os das mulheres que sofrem de trombose, algumas doenças do coração, diabetes mellitus, enxaqueca, hipertensão e fumantes.



As pílulas contendo apenas progesterona atuam impedindo o pico na liberação de LH pra impedir a ovulação e também espessando o muco cervical, dificultando a subida dos espermatozoides. Outro ponto importante é que o seu efeito pode ser revertido mais rapidamente, caso a mulher pare de tomar.



Outro detalhe é o de que as pílulas combinadas normalmente requerem uma pausa. Ao invés de tomar 28 pílulas em 28 dias seguidos e assim sucessivamente, as cartelas trazem 21 e faz se uma pausa de 7 dias, ou então, 24 e faz se uma pausa de 4 dias, para que possa haver menstruação. Às vezes as cartelas têm pílulas para os dias de pausa, mas essas pílulas contém ferro, a fim de repor o que será perdido na menstruação e para que a pessoa não perca o costume de tomar a pílula todos os dias. Já para as pílulas contendo apenas progesterona não se faz pausa.






Quanto à eficiência: 99 % com o uso perfeito e 91 % com o uso típico (infelizmente as pessoas esquecem de tomar as pílulas).



Os implantes, adesivos, injeções e DIU contendo hormônios, por exemplo, são baseados na mesma lógica das pílulas: contém estrógenos e progesterona ou apenas progesterona e, assim, também agem impedindo a ovulação.



Já no que tange ao tipo de contraceptivo de emergência popularmente conhecido como “pílula do dia seguinte” (pois é recomendado que se utilize o quanto antes após uma relação sexual) têm concentrações de progesterona mais elevadas que as pílulas tradicionais e atuam no sentido de impedir a ovulação, espessar o muco cervical e a implantação de um embrião no endométrio (por isso, podem ser consideradas abortivas). Diz-se que, se a mulher já estiver grávida, essas pílulas não induzirão um aborto. Há também uma pílula mais recente, chamada de “ella”, que não contém os hormônios, mas sim uma substância chamada acetato de ulipristal (UPA), capaz, dentre outras coisas, de atrasar a ovulação por tempo suficiente para que os espermatozoides morram e a fertilização não ocorra. Lembrando que o uso dos contraceptivos de emergência, como o nome indica, é para emergências: preservativos rasgados durante o ato sexual, estupros, relações sexuais sob embriaguez e coisas do tipo.



E, por último, sobre a suposta pílula masculina, ainda não existe algo que possa ser comercializado, porém, existem pesquisas que objetivam desenvolver algum método hormonal para os homens. Uma abordagem é a de se utilizar ésteres de testosterona em combinação com progesterona sintética visando diminuir a produção de espermatozoides ao inibir a liberação das gonadotrofinas hipofisárias: o FSH e o LH, que atuam na espermatogênese.



Dispositivo intrauterino  (DIU): é um trambolho de plástico cuja forma parece uma cruz que a mulher tem de carregar dentro do útero. Ele deve ser inserido por um médico (apenas por um médico!) no interior do útero e pode permanecer lá por pelo menos 3 anos, sendo que alguns podem permanecer por muito mais tempo. Existem dois tipos de DIU, o de cobre e o hormonal:



Os hormonais liberam progesterona e o modo de ação é, em essência, o mesmo dos métodos hormonais já mencionados. Podem durar de 3 – 6 anos. Já o DIU de cobre tem um fio de cobre que libera cobre. Acredita-se que o cobre tenha ação espermicida. (Cobre, cobre, cobre, cobre :p). Pode durar até 12 anos.




 

Além dos dois efeitos característicos, acredita-se que a presença do DIU cause inflamação no endométrio, o que por sua vez, pode atuar no sentido de impedir a implantação de um embrião, caso tenha havido fertilização (pois a inflamação atrai células do sistema imunitário, que fagocitam os espermatozoides). Por conta disso, pode ser considerado um método abortivo. Como esses efeitos são mais acentuados com o DIU de cobre, ele pode também ser utilizado como contraceptivo de emergência.



De qualquer forma, é um método muito eficiente, discreto, a mulher não tem de ficar se lembrando de tomar algo ou fazer algo e normalmente, após a retirada, a fertilidade retorna rapidamente.






Eficiência: mais de 99 % tanto para o uso perfeito quanto para o uso típico!



Diafragma + Espermicida: O diafragma é basicamente, uma tampa de silicone que deve ser introduzida dentro da vagina de forma a cobrir e tampar o colo do útero. Isso impede a subida do esperma e a fertilização. Deve ser utilizado com géis ou cremes espermicidas e mantido por pelo menos 6 h (máximo de 24 h) após o ato sexual, para que haja tempo dos espermatozoides perderem a mobilidade. Note que os espermicidas, apesar do nome, não matam os espermatozoides, o que eles fazem é prejudicar a mobilidade deles e também podem tampar o colo do útero e bloquear a passagem. O diafragma é posto e retirado com a mão mesmo, dá pra puxar com o dedo depois.




Eficiência: 94 % para o uso perfeito e 88 % para o uso típico.



Esterilização (laqueadura tubária e vasectomia): nesses casos, recorrem-se aos procedimentos capazes de esterilizar o indivíduo, ou seja, tornar a pessoa infértil, incapaz de gerar descendentes. Obviamente, são contraceptivos extremamente eficientes.



Para os homens, um exemplo é a vasectomia, que normalmente consiste em se cortar (seccionar) os canais deferentes. Assim, apesar de continuar produzindo esperma e podendo aproveitar a sensação do orgasmo, os espermatozoides produzidos não chegam até a uretra e nem são ejaculados. Eles morrem e são reabsorvidos por outras células do corpo. Alguns vazam dos canais deferentes seccionados, mas o destino é o mesmo. E o homem continua ejaculando, pois a maior parte do sêmen (= esperma) é proveniente das secreções das glândulas seminais e da próstata.







Após o procedimento, leva cerca de 15 a 20 ejaculações para que o esperma esteja livre de espermatozoides. Então, por um tempo, é recomendável usar outro método contraceptivo, como as camisinhas, até que exames constatem que não há mais espermatozoides no sêmen. De 7 – 10 % dos homens se arrependem de terem passado pelo procedimento.



Para as mulheres, um procedimento equivalente à vasectomia é a laqueadura tubária, na qual se cortam as tubas uterinas. Dessa forma, os espermatozoides não conseguem alcançar os ovócitos II liberados na ovulação. A mulher continua ovulando, parece não haver alterações no ciclo menstrual e nem nas sensações de orgasmo. Um outro método recente e interessante é o chamado Essure (nome do método/produto), no qual são inseridas, sem cirurgia, molas nas tubas uterinas que causam lesões e fibrose, de forma que as tubas uterinas são fechadas, também impedindo a passagem de gametas e a fertilização.






No Brasil, de acordo com a Lei 9263/1996, para poder passar por um procedimento de esterilização, a pessoa deve preencher alguns requisitos:



Art. 10. Somente é permitida a esterilização voluntária nas seguintes situações: (Artigo vetado e mantido pelo Congresso Nacional - Mensagem nº 928, de 19.8.1997)

I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de vinte e cinco anos de idade ou, pelo menos, com dois filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de sessenta dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico, período no qual será propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de regulação da fecundidade, incluindo aconselhamento por equipe multidisciplinar, visando desencorajar a esterilização precoce;

II - risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro concepto, testemunhado em relatório escrito e assinado por dois médicos.



No tocante à eficiência, tanto a vasectomia quanto a laqueadura apresentam eficácia maior que 99 % para o uso perfeito e uso típico.



Por fim, é possível, mas não é garantido que os métodos acima citados possam ser revertidos cirurgicamente. Logo, quem está pensando em passar por um deles, deve fazê-lo com o intuito de não mais voltar atrás na decisão.



Aborto induzido: bem, é terminar uma gestação (tradução: matar o bebê), voluntariamente, com o uso de substâncias ou procedimentos médicos.



REFERÊNCIAS:



Zieman M, Hatcher RA. Managing Contraception On the Go. Tiger, Georgia: Bridging the

Gap Foundation, 2012.