Translate

quarta-feira, novembro 09, 2016

SANGUE E CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO (HISTOLOGIA)


O SANGUE AS CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO

Maximiliano Mendes

OBS: aqui o foco é histológico, e não fisiológico!

(OBS 2: não sei explicar o motivo, mas o blogger não está salvando o texto com tamanho de fonte normal :( ).


O sangue é um tipo de tecido conjuntivo cujas células são produzidas por outro, o tecido reticular, que pode ser encontrado constituindo as medulas ósseas vermelhas e ao redor dos rins, baço e nódulos linfáticos. Possui fibras reticulares e forma uma espécie de substrato que apoia os órgãos e as estruturas linfáticas.
Os principais elementos figurados do sangue são os eritrócitos, os diversos linfócitos e as plaquetas:




Já o sangue pode ser localizado no interior dos vasos sanguíneos e do coração. Um adulto tem em média 5 l de sangue e essa quantidade corresponde a aproximadamente 8 % do peso do indivíduo.

Uma das características mais marcantes do sangue é que ele possui matriz extracelular abundante e líquida, chamada plasma, que compõe 55 % de seu volume. Os restantes 45 % do volume do sangue são chamados elementos figurados e são células e partes de células.


No que tange ao plasma, seu pH é por volta de 7,4, é composto por aproximadamente 92 % de água, 7% de proteínas e o restante, outros solutos transportados. A função primordial do plasma é transportar diversas substâncias, como íons importantes para os processos fisiológicos, nutrientes, excretas nitrogenados, CO2, hormônios, imunoglobulinas e etc.




Os eritrócitos ou hemácias são as células vermelhas do sangue, responsáveis pelo transporte de O2. Apenas uma pequena parte do transporte de O2 no sangue se dá pelo plasma (~1,5 %), a maior parte do O2 transportado viaja ligado aos átomos de ferro das hemoglobinas, proteínas localizadas no interior das hemácias. São os elementos figurados presentes em maior quantidade no sangue: ~4-6.106/mm3. O ferro oxidado tende à cor avermelhada, então, por conta do grande número de hemácias e do ferro oxidado das hemoglobinas, o sangue tem a cor vermelha.


Uma hemácia leva, em média, sete dias para se desenvolver e dura por volta de 120 dias no organismo. Em mamíferos, as hemácias são anucleadas, tendo formato bicôncavo. Isso facilita a passagem pelo interior dos capilares e também facilita a captação e a liberação de O2 para as células. Já em outros animais as hemácias são nucleadas.

As plaquetas são fragmentos de células chamadas megacariócitos, localizadas nas medulas ósseas e associadas aos vasos sanguíneos. As plaquetas são geradas a partir de prolongamentos que essas células emitem para o interior dos vasos sanguíneos. Em termos de quantidades, encontramos por volta de 2,5-4,0.105/mm3 de sangue.


As plaquetas atuam na coagulação sanguínea. Elas se agregam no lugar de uma lesão e liberam substâncias que, junto a várias outras proteínas plasmáticas, participam de um processo chamado de cascata de coagulação sanguínea. O resultado da cascata de coagulação sanguínea é a formação de uma espécie de tampa no local da lesão, o coágulo, formado por um emaranhado de plaquetas e outras células do sangue presas por proteínas chamadas fibrinas, que como o nome indica, formam fibras que prendem esses componentes no local da lesão e impedem a perda de sangue.


Os leucócitos (ou células brancas) são várias células responsáveis pela defesa imunitária do organismo. Encontramos por volta de 4-11.103/mm3 de sangue.   Alguns exemplos:

Neutrófilos: células fagocíticas.

Monócitos: células fagocíticas, podem migrar para os tecidos conjuntivos propriamente ditos e se diferenciarem em macrófagos, que também são células fagocíticas. Tanto os monócitos quanto os neutrófilos podem atravessar os vasos sanguíneos e migrar para outros tecidos, por um processo chamado diapedese.

Eosinófilos: produzem substâncias que combatem os vermes parasitas e participam das reações inflamatórias.

Basófilos e mastócitos: produzem histamina, substância vasodilatadora envolvida em reações inflamatórias.

Linfócitos B: diferenciam-se em plasmócitos e produzem anticorpos (imunoglobulinas).

Linfócitos T CD4: produzem substâncias que promovem a ação dos outros leucócitos. Quando os vírus da AIDS infectam e destroem essas células, o organismo se torna imunodeficiente, pois passa a ter dificuldades em elaborar uma resposta imune.

Linfócitos T CD8: eliminam células infectadas por vírus ou células tumorais.

 Referências

Campbell & Reece. Biologia. 8ª Ed. Artmed. 2010.

Junqueira & Carneiro. Basic Histology. 11th Ed. McGraw-Hill. 2005.

Ross, MH. & Pawlina, W. Histology: a text and atlas. 7th Ed. Wolters-Kluwer. 2016.


https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMHT0022046/

https://emedicine.medscape.com/article/2054452-overview

https://en.wikipedia.org/ - Vários artigos sobre o tema.

Gostou? Achou útil? Quer me ajudar? Clique nos anúncios e no G+1.