Translate

terça-feira, janeiro 29, 2013

Características dos seres vivos


CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS SERES VIVOS

Maximiliano Mendes - 2013

Biologia (Bios + Logos) é a ciência que estuda a vida em seus mais diversos aspectos (no que consiste, como um organismo funciona, qual é a constituição de um organismo e etc). Apesar de já se terem realizado muitas pesquisas na área biológica, ainda não se sabe definir com precisão o que é vida, ou o que é um organismo (ser vivo). Não obstante, sabemos dizer quais são as características mais fundamentais de um organismo:

1. Os organismos são constituídos de matéria, logo, estão sujeitos às leis da natureza que regem o funcionamento do universo (e.g. leis da gravitação, da relatividade, da termodinâmica e etc).

Podemos considerar o átomo como sendo a unidade fundamental da matéria. Os principais elementos químicos constituintes dos organismos são: Carbono, Hidrogênio, Nitrogênio, Enxofre e Fósforo (CHONSP). Com exceção do hidrogênio, esses elementos não estão dentre os mais abundantes do Universo, mas são aqueles que possuem as propriedades físico-químicas capazes de formar as moléculas biológicas requeridas para que haja vida (proteínas, ácidos nucleicos, lipídios e etc.).


2. A unidade básica dos organismos é a célula. Uma célula consiste de um compartimento membranoso preenchido por um material gelatinoso onde ocorrem os processos químicos responsáveis pela manutenção da vida.

Os três componentes básicos de uma célula são: a membrana plasmática, o citoplasma e o material genético.

É importante ressaltar que existem dois tipos básicos de células:

A) Procarióticas: são as mais simples. Não possuem envelope nuclear. (OBS: pode ser que algumas bactérias possuam uma organela, semelhante ao acidocalcissomo). As bactérias e arqueas possuem esse tipo celular.
B) Eucarióticas: são mais complexas. Possuem envelope nuclear e várias estruturas internas chamadas organelas. Essas são as células dos animais, plantas, protozoários, fungos e etc.



Os vírus são um caso à parte. Não se sabe ao certo se são vivos ou não, pois são acelulares, e, por isso, não têm metabolismo próprio e são obrigatoriamente parasitas intracelulares. Um vírus está para uma célula assim como um DVD com algum aplicativo gravado está para um computador: por si só, o DVD não faz nada. 

3. Metabolismo: é o conjunto bastante interligado de todas as reações químicas que ocorrem dentro das células. Dividimos as reações metabólicas em dois grupos principais:

A) Catabolismo: reações que envolvem a degradação/quebra de moléculas orgânicas complexas em compostos mais simples, com a consequente liberação de energia. (OBS: podemos considerar como mais complexo aquele que tem mais partes/componentes).
B) Anabolismo: reações de síntese (produção) de moléculas orgânicas complexas a partir de moléculas mais simples.


4. Capacidade de sentir e reagir aos estímulos. Os organismos são capazes de sentir e detectar mudanças no ambiente em que se encontram ou mudanças internas e reagir de acordo. Como exemplos: um animal que foge (reação) ao avistar um predador (estímulo) ou a secreção de saliva (reação) quando estamos famintos e sentimos o cheiro de comida (estímulo).



5. Capacidade de crescer. O crescimento se dá de forma complexa, por meio das reações metabólicas, envolvendo a produção de mais moléculas e componentes celulares. Um organismo unicelular cresce através do aumento do tamanho de sua célula. Já um organismo multicelular cresce tanto devido ao aumento das suas células quanto pela multiplicação delas.

6. Capacidade de se reproduzir. Reprodução é a geração de descendentes e isso permite a continuidade da espécie. Existem duas modalidades básicas de reprodução:

A) Assexuada ou agamética: um único organismo, sozinho, é capaz de gerar descendentes sem que haja a produção de células reprodutivas especiais, chamadas gametas.
B) Sexuada ou gamética: é necessário que haja a união dos gametas para que se forme um novo indivíduo. Normalmente envolve dois indivíduos, cada um de um sexo, porém, alguns seres hermafroditas são capazes de produzir os dois tipos de gametas (masculino e feminino) e gerarem descendentes sozinhos.

7. Hereditariedade. É a capacidade de transmitir características aos descendentes. Essas características normalmente se encontram especificadas ou inscritas no material genético.


8. Ao longo das gerações as populações de organismos podem evoluir (sofrer mudanças), graças ao fato de que apresentam diferenças na composição do material genético e sofrem a ação de processos naturais como a seleção natural. A capacidade de evoluir permite que as populações de organismos se tornem mais bem adaptadas aos ambientes onde vivem.

E o que é vida?

Como visto no início, ninguém concorda ou sabe uma definição definitiva. Todavia é possível oferecer algumas definições possíveis:

Uma definição simples pode ser: sistema químico altamente organizado que necessita de energia para se manter e, além disso, pode se multiplicar.

Uma definição mais completa, tendo em vista o primeiro ser vivo, pode ser: um sistema vivo é aquele capaz de transformar matéria/energia externas em um processo interno de auto-manutenção e que, por sua vez, também produz seus próprios componentes. Além disso: deve ser um sistema químico localizado em uma região que aumenta em ordem (decresce em entropia/desordem) por meio de ciclos movidos por um fluxo de energia e esse sistema cresce e se sustenta retirando energia e átomos das suas redondezas, ou seja, apresenta metabolismo.

REFERÊNCIAS

Amabis & Martho. Biologia das CélulasModerna. 2010.
Campbell, Reece et al. Biologia. 8ª ed. Artmed. 2010.
SHAPIRO, R. Uma Origem Mais Simples da Vida. Scientific American Brasil. n° 62. 2007. pp: 36–43.
http://www.pearsonschoolsandfecolleges.co.uk/Secondary/Science/IGCSE/HeinemannIGCSEBiologyChemistryPhysics/Samples/Biology/HeinemannIGCSE_Biology_chapter1.pdf
http://www.hasdpa.net/21552042794510877/lib/21552042794510877/Microorganisms_(all_chpts.).pdf

Gostou do material? Achou útil? Quer me ajudar? Clique nos anúncios.